Manozzo COMEX

Entrevista com Marcos Manozzo: “Entramos em uma nova era do Comércio Internacional”

O Comércio Internacional está em uma nova era recheada de oportunidades e você pode estar perdendo uma oportunidade única de entrar nos novos fluxos de vendas internacionais – é o que afirma um dos maiores especialistas do Comex no Brasil, o professor e empresário Marcos Manozzo.

Mas, quais são as dificuldades que sua empresa terá que enfrentar para ter sucesso lá fora?

Quais são as nuances, os atalhos que todo empresário deve saber sobre o Comex hoje no Brasil?

A experiência em Comércio Internacional conta muito na hora de iniciar um processo de internacionalização da sua empresa. Por isso, entrevistamos o empresário, professor e especialista em Comércio Internacional Marcos Manozzo, que carrega uma bagagem de mais de 25 anos de experiência no Comex.

Continue lendo… você fará uma retrospectiva dos últimos 30 anos do Comércio Internacional brasileiro e o quais são as novidades do mercado de exportação e importação para os próximos anos..

Tema: O início do Mercado de Exportação

Global.shop: Marcos, obrigado por receber a equipe de conteúdo da Global.shop para essa entrevista exclusiva. Vamos começar com um pouco da tua trajetória com exportação… você começou cedo, certo?

Marcos Manozzo: Minha história, na verdade, começou antes de mim. Os meus pais que são aqui do Rio Grande do Sul, se mudaram para os Estados Unidos no comecinho da década de 70. Moraram 12 anos lá nos Estados Unidos, e eu, inclusive, nasci em Los Angeles. Lá eles trabalharam com várias áreas diferentes. Minha mãe se formou enfermeira e trabalhou com enfermagem, o meu pai trabalhou como mecânico, teve uma agência de turismo e começou a levar alguns produtos do Brasil pra lá. Então ele fez a primeira exportação da Fras-le, que é uma fábrica de pastilha de freios de Caxias do Sul, fez a primeira exportação da Caloi Bicicletas, fez a primeira exportação do Grupo CEBI. Ele conseguiu exportar muito porque descobriu que, para o mercado de reposição, era muito mais barato comprar aqui e mandar para lá, do que comprar o original da Volkswagen nos Estados Unidos.

E acabou se encontrando realmente no mercado de móveis de madeira. Com 15 anos de mercado, acabou se tornando o maior exportador de móveis de madeira do Brasil. Teve duas fábricas próprias e mais 25 representadas. Então, a gente tinha linhas de móveis francesas, indianas, que na verdade eram móveis novos, mas que imitavam um estilo antigo.

Desde a infância, lá pelos meus 8 anos, meu pai me pegava pela mão no sábado de manhã e me levava para visitar a fábrica… então eu sou rato de fábrica desde muito cedo e quando tinha 14 anos é que eu comecei efetivamente a trabalhar com ele.

Nessa época, criança podia trabalhar, então eu comecei como estagiário no escritório, depois estagiei na fábrica, passei por todas as áreas tanto do escritório, quanto da fábrica, para aprender o que é móvel, o que é comércio exterior e o que é administração de empresa. Quando eu tinha 16 anos, comecei a viajar com ele para fazer o roteiro de feiras da Europa, então a gente fazia Bologna, Paris, Birmingham e Colônia. Passávamos um mês participando de todas as feiras.

Na verdade, eu já nasci nesse ramo de comércio exterior, está no DNA, e nasci na casa de um dos pioneiros de exportação do Brasil. Então, foi nesse sentido, uma experiência bem interessante. Eu trabalhei 10 anos com ele, depois fui pra Inglaterra fazer o meu mestrado em Marketing Internacional e quando voltei acabei me envolvendo com algumas entidades, como a Câmara de Indústria e Comércio de Caxias do Sul (CIC). Depois disso, montei a Unomundo em 2005. E lá se vão 13 anos de empresa, 25 anos de experiência e 50 anos de tradição mais ou menos.

Global.shop: Com tantos anos de experiência, você viu o mercado brasileiro expandir e contrair nas últimas décadas, verdade?

Marcos Manozzo: Vi bastante, até porque eu comecei cedo. Vi quando o Brasil era chamado ainda de celeiro do mundo. A gente tem uma indústria bastante diversificada e uma tradição de fornecer tudo o que é produto pra tudo quanto é país. E foi nessa época que eu entrei no Comércio Exterior.

Vi quando o plano real veio e acabou com as exportações do país, porque a supervalorização do real frente ao dólar impossibilitou a exportação continuada de produtos de menor valor agregado que migraram a produção para os tigres asiáticos.

Naquela época, a China, Índia, Coréia do Sul e Taiwan nem eram parte do mercado internacional. Até por isso que o Brasil tinha uma posição de destaque, tinha pouca concorrência nesse sentido.

Vi quando o Collor liberou a importação de carros temporariamente. Ele chamava os carros brasileiros de carroças. Todo mundo aqui se ofendeu e ele estava certo. A partir do momento que ele derrubou as barreiras comerciais que protegiam a indústria nacional, qualquer um pôde ver a qualidade dos produtos nacionais. Os automóveis nacionais melhoraram exponencialmente, porque começou a entrar importados que obrigaram a indústria nacional a se atualizar.

Vi também quando em 2008 aconteceu aquela bagunça no mercado. Depois do plano real, a pauta do Comércio Exterior do Brasil meio que virou para a importação, porque estava mais barato importar do que produzir.

Daí, veio 2008 e bagunçou o mercado de vez. Agora a gente está começando a falar de exportação de novo. O comércio exterior no Brasil é insipiente, apesar da gente ser a nona economia do mundo e o quinto maior país em população.

Crise internacioanal de 2008

Crise de 2008

Nós, brasileiros, ainda ocupamos historicamente em torno de 1% do Comércio Exterior mundial – e, isso não é nada, não é absolutamente nada frente o que poderia ser.

Tema: Cenário Brasileiro de Exportação

Global.shop: Quais são os produtos mais exportados no país atualmente?

Marcos Manozzo: O tripé da balança comercial exportadora do Brasil é a soja em grão, minério de ferro e petróleo bruto, justamente porque a carga tributária aqui é tão alta e os custos de produção são tão absurdamente altos que quando você tenta fazer qualquer produção para agregar qualquer valor no produto exportado, você perde a competitividade.

O minério de ferro é um caso típico desses… o Brasil é o terceiro país mais competitivo no mundo para a indústria siderúrgica, só perde pra Índia e pra China, só que isso antes da carga tributária. Depois da carga tributária, vale a pena pegar o minério aqui, mandar ele para o outro lado do mundo e trazer as chapas, porque é mais barato do que fazer as chapas aqui.

A questão é que o governo brasileiro nunca foi sério no quesito comércio exterior, além de ter muita corrupção na Petrobrás, Vale do Rio Doce, etc.

Existe uma crença de que exportação é bom e importação é ruim. Dizem que exportação é bom porque traz dólar pra dentro e importação é ruim porque manda divisas pra fora.

Mas, na verdade, quem trabalha com comércio exterior sabe que não é assim. A importação e exportação são complementares. China e Estados Unidos se alternam na primeira e na segunda posição entre os maiores importadores e exportadores e o resto vem atrás. Isso porque importação e exportação são complementares. O produto nacional que tu compra, ele vem com toda carga tributária agregada, então é muito interessante.

Às vezes, a gente faz processo para clientes que o produto importado, além de ser 20, 30% mais barato que o nacional, o processo de importação dele fica 80% mais barato porque não tem a carga tributária agregada ali. Então, tanto importação quanto exportação deveriam sempre andar de mãos dadas. Tem uma série de vantagens quanto você importa e exporta.

É realmente muito interessante que importação e exportação andem de mãos dadas sempre. O brasileiro está sempre na esperança de que que o próximo governo vá fazer a lição de casa, vamos ver se esse governo de direita eleita com Jair Bolsonaro irá fazer a lição de casa (redução da carga tributária) que o país tanto precisa…

Tema: Abertura do Mercado Brasileiro pós-Collor

Global.shop: Muito se fala na abertura de mercados no Brasil depois de Collor, Sarney e FHC. O empresário brasileiro só conheceu o mercado internacional depois dos anos 1990?

Marcos Manozzo: A abertura de mercado do Brasil começou muito cedo, na verdade. O Brasil virou um exportador ainda na época do Império… a colonização portuguesa se deu com extração mineral e vegetal, então o próprio nome do Brasil vem do Pau Brasil, que era uma madeira com cor de braseira. Então, o Brasil sempre exportou seus produtos de uma maneira ou de outra. O que aconteceu, principalmente depois do Sarney, na redemocratização, foi que o país teve mais liberdade para fazer negócio, teve um controle um pouco menor nos fluxos de capitais e de produto. Então, na era Sarney e depois na era Collor, começou uma abertura de fronteiras para a importação.

E o que o FHC trouxe de mais importante foi a estabilidade da moeda. Ele fez um plano econômico, o Plano Real, que mesmo que tenha matado a exportação no começo por supervalorização do câmbio, acabou trazendo uma diminuição muito grande na inflação e uma estabilidade de moeda.

E, na verdade, não interessa a médio prazo se o dólar custa um real ou cem reais, o importante é que ele pare, que ele seja estável.

O Brasil, como comentei na pergunta anterior, sempre foi muito voltado pra exportar, mas nunca pensou em questões de competitividade da indústria.

Tema: Estabilidade da Moeda (Real frente ao Dólar)

Global.shop: Você pode esclarecer melhor a importância da estabilidade da moeda para o Comex?

Marcos Manozzo: Sim, veja bem… se você vende por 10 dólares pra receber 100 reais lá na frente, mas no momento de efetivamente fazer negócio e receber esses mesmos 10 dólares, você acaba recebendo 500 reais, você percebe um monte de ineficiência dentro desse processo.

Já se exportava muito dessa forma mesmo com a instabilidade da moeda. Isso muda um pouco, seus processos têm que ser mais eficientes e aí sim que vem a necessidade de importação para otimizar, baratear e estabilizar os processos de produção e os custos de mercadoria.

Então sim, o Brasil sempre foi um grande exportador, mas até por uma questão de o público conhecer mais o mercado internacional a partir da década de 90, o pessoal quis importar mais, tinha uma demanda de compra e também começou a ver que poderia melhorar e deveria melhorar os seus produtos para conseguir exportar melhor. Eu não diria que a internacionalização começou depois das décadas de 90, isso é uma mentira, mas ela certamente ficou mais energética, ficou mais aos olhos do público.

Antes, era a indústria exportadora que conhecia a exportação, na verdade isso não está muito diferente de agora. O Brasil deve ter algo em torno de 20 milhões de pequenas e microempresas e talvez 20 mil delas exportam, é um número muito, muito pequeno.

Em qualquer país desenvolvido, o volume das exportações desse tipo de empresa representa pelo menos 50% da pauta exportadora do país. E é isso que traz a estabilidade.

Você não tem uma concentração gigante de valor exportado na mão de duas ou três empresas, o que diminui imensamente o teu risco cambial e são os pequenos e médios empreendedores que dão emprego, que fazem a economia girar, que têm cadeias de fornecimentos mais longas, etc. Então, o ideal é que mais empresas pequenas e médias exportem mais no país.

Exportação brasileira cresce

Globol.shop: Ainda sobre a oscilação da moeda, podemos afirmar que o câmbio fixo favorece o comércio internacional?

Marcos Manozzo: Sim e não. Por um lado, com o câmbio fixo, o exportador tem uma certa previsão do que vai acontecer com seus rendimentos. Isso é bom, mas evita que o país tenha uma economia de mercado aberto, então é bom para o exportador e ruim para o mercado.

O que pode ser bom pra um exportador não vai ser bom para o importador, o que pode ser bom para o comércio internacional talvez não seja bom para o mercado.

Um grande influxo de capitais vem justamente pelo mercado de ações e, por ter um câmbio fixo, o Brasil não fazia parte, não era considerada uma economia de mercado. Isso mudou quando ele passou a ter um câmbio que variava de acordo com as flutuações do mercado internacional. Então, a gente troca uma coisa pela outra. Não dá pra dizer que um é melhor ou pior, assim como importação e exportação estão interligadas, o comércio exterior também está ligado com o mercado.

É difícil dizer vai ser bom para isso, vai ser ruim para aquilo, porque existe uma interligação, então precisa de uma estabilidade em todos os sentidos, de mercado, de moeda, de economia. O ideal seria a gente ter o mínimo de flutuações possíveis dentro de uma realidade de estabilidade de mercado de um país competitivo. Os Estados Unidos também têm flutuação de moeda, a China ainda tem câmbio pré-fixado, controlado pelo governo. Existem vantagens e desvantagens, não dá pra dizer se é só bom ou só ruim.

Global.shop: E agora, com o dólar volátil, mirando os 5 reais, como fica as exportações brasileiras?

Marcos Manozzo: O câmbio é um termômetro de confiança do mercado. Quanto mais confiança existe no mercado por parte dos investidores, maior vai ser o influxo de dólares de capital internacional nesse mercado para fins de investimento e menor é a taxa de juros que esse mercado vai ter que pagar para atrair esses investimentos.

Quanto maior o risco, maior tem que ser a recompensa.

Então, com o dólar alto num país que apresenta muito risco, a nossa taxa de juros tem que ser muito alta pra conseguir atrair esses investimentos. Com um país mais estável, com um cara de direita à frente da economia e uma segurança de que o país não vai deixar de pagar as suas obrigações, aumenta a segurança, diminui o risco e você pode pagar uma taxa de juros menor para recompensar o fluxo de capital. É por isso que nos Estados Unidos, por exemplo, a taxa de juros real está muito próxima de zero.

Teoricamente, o dólar mais valorizado em relação ao real seria bom pra indústria, para exportação, mas isso não quer dizer que tudo acontece de uma hora pra outra.

Uma empresa que começa agora a investir em exportação vai demorar em torno de dois anos até conseguir uma cadeia de fornecimento estável para exportar. Empresa que só quer exportar quando o câmbio está favorável, vai deixar de fazer esse investimento quando o câmbio mudar, que é o que aconteceu agora. Essa empresa vai se queimar no mercado, porque no momento em que ela estava começando a ser conhecida, ela vai sair. Se você ingressou no Comércio Exterior, quer virar uma empresa internacional e tem todas as vantagens do mundo pra que isso aconteça,  tem que fazer isso sempre.

Você tem que dedicar uma parte da tua produção, uma parte do teu investimento e uma parte do teu esforço para manter uma presença internacional. Isso só traz aspectos positivos para a empresa, mesmo que às vezes pareça que o investimento é um pouco alto e com retorno a médio e longo prazo. Então sempre vai valer a pena.

Tema: Nova Era do Comércio Internacional (COMEX)

Global.shop: Com a digitalização dos processos de aduana e os novos marketplaces despontando no varejo, estamos em uma nova era do Comércio Internacional?

Marcos Manozzo: Sim, a expressão é exatamente essa. Estamos entrando em uma nova era do Comércio Internacional. Tem algumas tecnologias e alguns melhoramentos que realmente estão virando o mundo de cabeça pra baixo e os próximos dez anos vão ser muito interessantes para quem trabalha com isso.

A coisa está ficando cada vez mais fácil, a Receita Federal tem feito um esforço, atendendo uma demanda de mercado de facilitar os processos, agora com Siscomex Web e a Declaração Única de Exportação, a coisa está ficando bem mais simples, mais barata, mais prática, mais rápida de fazer as declarações.

Receita Federal siscomex web

Portal siscomex web

Então é uma melhoria, que já está muito atrasada, na verdade. Em qualquer país desenvolvido tanto na Europa quanto nos Estados Unidos, a facilidade que se tem para fazer um processo de exportação é absurda. É coisa de preencher meia página e acabou e é assim desde então. O que o Brasil está fazendo agora não é novidade no resto do mundo. Com importação é a mesma coisa. A gente tem uma burocracia absurda para fazer qualquer tipo. Enquanto em países desenvolvidos, a facilidade de fazer importações é muito maior.

No Comércio Exterior, o que está ocorrendo nesse momento é o fenômeno dos Marketplaces, que estão possibilitando que empresas pequenas e médias participem do processo global.

E isso é muito importante.

A China hoje é de longe o país que mais usa marketplaces, tanto que os três maiores  do mundo estão lá: o Alibaba e, dentro do Alibaba, o TMall e o TaoBao.

Eles fazem parte do mesmo grupo, porque quando a China se abriu paro o mundo, não existia uma estrutura muito bem montada de lojas de rua e lojas físicas. E uma loja física é cara para fazer, você precisa alugar um prédio, montar a loja, ter estoque, contratar gente. Em relação a isso, uma loja virtual é relativamente barata de criar e de manter. E como o país recebeu muito rápido um acesso à internet de qualidade, as lojas digitais se popularizaram de uma maneira incrível.

Hoje, tem muito mais lojas digitais na China do que lojas de rua.

E, isso começou justamente porque tinha uma demanda por compra de produtos, mas não tinha uma oferta em lojas de rua adequada.

Nos Estados Unidos, o fenômeno está acontecendo de uma forma um pouco diferente. O fenômeno do marketplace começou com o eBay e depois entrou a Amazon. Naquele país, já existia uma estrutura muito bem montada de lojas de rua, então o público já estava atendido. Os marketplaces tiveram que brigar pra conseguir encontrar o seu lugar nesse mercado e, por maior que seja o volume de comércio em marketplace hoje, ele ainda não atrapalha os grandes players. Então, o Walmart, por exemplo, que tem seus próprios marketplaces, não se sentem tão ameaçados assim com o advento de uma Amazon, de um eBay e todos os outros…

A tendência é que com mais e mais empresas mundo afora, mais profissionais entrando no comércio digital internacional, os serviços vão ficar mais baratos, mais acessíveis, e a qualidade vai aumentar. E a gente está vendo uma revolução nesse processo todo. Nos últimos anos, a logística internacional aérea tem melhorado muito, tanto em questão de eficiência quanto em questão de custo e eu não faço a mínima ideia do tamanho do progresso que vai acontecer nos próximos dez anos.

Então, sim, estamos em uma nova era, o mundo está mudando e vai mudar cada vez mais rápido e quem não se adequar a isso… quem não participar dessa mudança está fora. Hoje, o profissional que não se adequar a nova maneira de fazer Comércio Exterior Digital, vai ficar obsoleto e a gente está vendo isso acontecer cada vez mais rápido.

Tema: Por que investir na Internacionalização da Empresa?

Global.shop: Aquele empresário brasileiro que já tem uma fatia de mercado, ou seja, que já é um player no mercado nacional, quando ele pensa em exportar seus produtos, logo vem a pergunta: por que não investir mais no mercado interno? Como você analisa esse pensamento?

Marcos Manozzo: Essa é uma questão bem interessante, a maior parte dos empresários vão pensar: “Estou trabalhando só com um pedaço do mercado brasileiro, que é um mercado gigante, continental e eu ainda tenho muito desse mercado para atacar, porque eu deveria então me meter com Comércio Exterior que é uma coisa diferente, que exige adaptação de produto, exige um conhecimento que eu não tenho, exige investimento?”. Muitos pensam: “Eu vou pegar o investimento que eu faria no comércio exterior e vou investir em São Paulo e aí é só questão de desenvolver o mercado. O produto é o mesmo, por exemplo”.

Eu acho que todo empresário se faz essa pergunta no começo e a resposta pra ela é bem simples. Na verdade, são várias respostas, a mais simples que eu diria seria dispersão de riscos: não botar todos os ovos na mesma cesta.

Nós estamos no Brasil, a gente sabe que a cada 4 ou 5 anos vai ter uma crise econômica. Nós já estamos plugando uma na outra de tão frequente assim. Quando o mercado entrar em crise, vai ser uma crise nacional, então não interessa se você está vendendo bem na região sul, na região sudeste ou na região nordeste, as três vão estar em crise. As três vão parar de comprar de você. Vai faltar dinheiro no mercado, vai faltar crédito, vai faltar demanda dos produtos e aí você vai ter que demitir sua equipe, vai ter que pegar dinheiro caro para sobreviver, e enfim, tudo que está acontecendo agora e que a gente está lutando contra e tentando melhorar.

Agora, se essa mesma empresa tiver um terço da sua produção dedicada para fornecimento em 5 países, o que não é nada, ela vai sobreviver a qualquer crise.

Porque com 30% do faturamento é quase impossível que todos eles entrem em crise na mesma época que o Brasil. Isso acontece. Aconteceu em 2008, por exemplo, quando o mundo inteiro entrou numa crise. O crescimento médio do PIB mundial caiu. Mas antes disso tinha acontecido em 1929, então não é uma coisa tão comum assim. Então, a primeira resposta pra essa pergunta é aversão a risco, é estabilidade, é ter certeza que mesmo que o Brasil entre na próxima crise, a sua empresa não vai quebrar por conta disso.

E depois tem várias outras vantagens da internacionalização, tem toda uma questão de atualização tecnológica, de feedback real de produto, de diversificação de risco.

Quem exporta, tem dólares entrando e pode usar esses dólares para pagar as importações que tornam o seu produto mais competitivo, tanto no mercado nacional, quanto para exportação, sem se preocupar com flutuação de moeda.

Então se eu vou importar um produto, um contêiner de insumos que custa cem mil dólares, quanto que ele vai estar custando quando chegar aqui? Trezentos mil reais ou quatrocentos mil reais? Se eu estiver exportando meus produtos, esse valor é irrelevante porque eu vou estar pagando os dólares da importação com os dólares da exportação, então eu não vou ter sustos no meio do caminho.

Então, internacionalizar a empresa só traz vantagens tanto para exportar quanto importar.

Comércio Internacional

Tem também a questão tributária. Quem exporta, não paga ICMS, IPI, PIS e COFINS. Sobra mais dinheiro quando você exporta do que quando você vende no mercado interno. Ah, você vai ter que baixar o valor porque o teu produto é menos competitivo lá fora, então vamos importar os componentes que vão deixar o nosso produto competitivo. Internacionalizando a empresa, você abre um leque gigante de novas opções que simplesmente você não teria somente trabalhando com o mercado nacional.

Então… veja que a diversificação de risco, por exemplo, e estabilidade como um resultado muito tangível e muito simples. Agora os resultados intangíveis da internacionalização são inúmeros, não dá nem pra contar.

Global.shop: E, como fica os primeiros passos para uma empresa se internacionalizar? É comum ver empresários confusos com tantos requisitos burocráticos…

Marcos Manozzo: Sim, existe uma confusão. Porque assim como o empresário que começa a fazer qualquer coisa aqui no Brasil tem que aprender muita coisa, quando você começa a exportar é outro conjunto de conhecimento que tem que ser desenvolvido.

Por exemplo, a gente tem uma base de manufatura de pequenas e microempresas e até empresas médias que começam com um funcionário de uma grande empresa que se torna bom em tecnicamente em fabricar o produto e sai da grande empresa para montar a sua micro empresa, que pode ser pequena e pode virar média, porque ele é bom em tecnicamente em fabricar o produto.

Nós apelidamos isso aqui de o empreendedor gringo, mas a verdade é que esse mesmo conceito se replica no mundo inteiro. Então, esse cara ele tem que aprender a fazer administração, a fazer marketing, a fazer contabilidade, a fazer a parte jurídica. Ele tem que aprender uma série de coisas que simplesmente não tem conhecimento. Porque o negócio dele é fabricar um produto bom tecnicamente.

Da mesma forma que quando a empresa desse mesmo rapaz começa a exportar, ele vai ter que aprender uma série conhecimentos que hoje ele não tem acesso, ou que ele não precisa, então ele não conhece. Ele vai precisar de línguas, de logística, de trâmites aduaneiros, de adequação dos produtos, certificação internacional e uma série de questões diferentes. Imagine que esse cara passou a vida inteira dele brigando para se tornar conhecido aqui no mercado nacional. Para cada um dos mercados que ele começar a trabalhar, vai ter que fazer isso de novo.

Então sim, existe uma confusão. Existe um medo desse desconhecido e assim como todo medo de coisa nova tem que ser superado e vai dar os seus resultados e os seus benefícios. Mas a maior confusão, o maior medo, acredite ou não começa com a língua.

Um percentual muito pequeno da população brasileira fala inglês, ou fala inglês fluente. Eu canso de visitar fábrica lá que só tem uma pessoa que fala inglês e não é nem um gestor, é uma secretária. Então isso não é exclusividade nossa, mas o medo, o pepino, a confusão começa com a língua. Tem que contratar alguém que seja fluente pelo menos em inglês e espanhol para tentar começar alguma coisa. Inglês porque é a língua que o mundo fala e espanhol porque é a língua que os vizinhos falam.

Então, a gente começa a internacionalizar aqui por perto. Com o fenômeno dos marketplaces online, você pode começar a sua internacionalização com 200 países diferentes. É uma quebra de barreiras e uma quebra de paradigmas sem precedentes. Mas sim, o empresário precisa desenvolver um conjunto de conhecimentos diferentes, ou contratar uma empresa especialista que conheça do ramo, que faça boa parte dos trâmites aduaneiros e de logística, e estamos aqui para isso.

Tema: A Unomundo e a Global.shop como players mundiais

Global.shop: Você é co-fundador e administrador de duas empresas de Comex, certo? Estamos falanda da Unomundo e da Global.shop. O que elas oferecem ao empresário brasileiro que deseja competir nas correntes globais de mercado?

Marcos Manozzo: A Unomundo trabalha com projetos Bussiness to Bussiness (B2B), ou seja, de empresa para empresa, tanto que para isso estamos já abrindo um escritório nos Estados Unidos, no mundo USA e estudando a possibilidade e abrir uma empresa própria na China também, no mundo China. Então, a Unomundo é uma empresa de importação e exportação B2B.

Trading B2B

Nós vimos várias oportunidades inclusive de clientes que iniciaram B2C para exportar seus produtos em larga escala para grandes varejistas, ou grandes industriais, clientes que usam grandes volumes e vamos continuar, esse é o nosso berço. E a gente vai continuar fazendo isso porque existe espaço no mercado e ninguém vê esse espaço deixando de existir muito cedo.

Já a Global.shop é uma empresa que nasceu como um e-Commerce Internacional da Unomundo. Na época, os produtos eram bem volumosos, então a gente não esperava ser competitivo, mas o pessoal começou a demandar produto e começou a querer comprar e começaram a sair, pingar compras B2C. E a gente resolver investir um pouco mais em cima disso. De novo, primeiro como ferramenta de marketing e vendo o sucesso que estava tendo a gente resolveu se especializar nisso, vendo que tem um nicho de mercado especificamente pra isso, ou seja, que essa aproximação da indústria com o cliente final que a indústria vem buscando há várias décadas, chegou.

A Global.shop tem essa função: facilitar a vida do empresário no processo de internacionalização e venda nos marketplaces internacionais, que são verdadeiras Vitrines Mundiais.

Por enquanto a Global.shop funciona dentro da Unomundo, mas a partir de 2019, tudo que for B2C vai ser Global.shop e tudo que for B2B vai ser Unomundo.

Inclusive clientes que começam com uma podem migrar pra outra e vice-versa. A gente pode ter clientes pequenos que queiram experimentar a Global.shop, e tendo potencial, podemos trazer aqui pra Unomundo para negociar B2B. E clientes que a gente inicia B2B podemos também ver que, e a gente já está identificando isso em alguns, que tem potencial para trabalhar B2C.

A gente estava falando até agora de dificuldades que os empresários vão ter ou percebem na hora de internacionalizar. A nossa filosofia é justamente essa, olhar para todos os elos da cadeia de suprimento e ver qual é a necessidade de cada um deles e fazer o que for necessário para resolver cada um desses problemas.

Não adianta ter o melhor produto do mundo se eu não consigo fazer ele chegar no cliente, se existe alguma barreira técnica na hora da importação, da aduana, se eu não consigo receber o dinheiro do pagamento. Então nossa filosofia é justamente essa: olhar para a cadeia de suprimentos inteira e ver onde é que estão os problemas e o que a gente pode fazer para resolvê-los. Com toda essa revolução tecnológica que está acontecendo principalmente nesse negócio, tem pouca coisa que a gente não consiga resolver.

Tema: O Futuro do Comércio Internacional para o Empresário Brasileiro

Global.shop: Para fechar essa entrevista, o que podemos projetar para o futuro do Comércio Internacional, especialmente para o empresário brasileiro?

Marcos Manozzo: De uma maneira ou de outra, vale a pena exportar, vale a pena internacionalizar a empresa, tanto com importação quanto com exportação, vale a pena abrir os olhos para o que o mundo tem para oferecer e participar do desenvolvimento tecnológico, cultural, moral, intelectual, geral do mundo e não ficar só olhando pros problemas que o Brasil tem.

Eu não sei se você tem essa estatística, você encontra lá na internet com facilidade… todos os anos se produz mais conhecimento do que toda a história da humanidade somada.

Então… o desenvolvimento de conhecimento é exponencial e aquilo que você faz hoje pode estar completamente irrelevante amanhã, pode estar completamente obsoleto amanhã. Se você não estiver participando do mercado mundial para ver isso, a hora que essa verdade chegar no seu mercado, você já está quebrado e não adianta correr atrás da máquina.

Eu gosto de citar o exemplo da Kodak. Ela era a maior fábrica de papel de impressão fotográfica e de rolos de filme fotográfico e foram os criadores da máquina digital. E eles quebraram por causa da máquina digital. Eles se tornaram obsoletos por causa da própria criação. Por isso… imagina em nível internacional o quanto as nossas empresas não estão vendo que elas estão se tornando obsoletas e a hora que virem, pode ser tarde demais. Já não vai mais ter volta e como é que eles vão se reinventar.

A palavra do momento é disruptura, disrupção.

É o que vai acontecer, é o que está acontecendo. Quem não estiver nessa onda está para trás. Tem muita coisa acontecendo, você não precisa acompanhar tudo no mundo, mas é importante saber que essas revoluções estão acontecendo. É importante internalizar tecnologia, processos e informações em nível internacional na sua operação para poder tomar decisões com bases sólidas, com conhecimento, com tecnologia, com informação.

Hoje, com o advento da internet está cada vez mais fácil ter esse acesso. Você precisa falar outras línguas, você precisa sair de casa, precisa ir ver o mundo e é isso que a Unomundo e a Global.shop trazem para nossas empresas. A gente criou uma maneira barata das empresas viverem essa revolução internacional. É uma época muito interessante de trabalhar com comércio internacional e todo empresário que resolver entrar nessa, e deve, não tem outra opção se você quer sobreviver, só vai ter a ganhar.

Tema: O Principal Obstáculo para Começar a Exportar

Gostou da entrevista? Com tanto conhecimento em uma entrevista, fica mais fácil analisar as oportunidades no Comércio Exterior. Mas, apesar de ser fundamental, somente conhecimento não é suficiente. Confira o principal obstáculo que impede a maioria dos empresários brasileiros de entrar no mercado internacional com o pé direito.

[inbound_button font_size=”20″ color=”#0000ff” text_color=”#ffffff” icon=”arrow-circle-right” url=”https://www.global.shop/comex/exportacao-o-problema-que-impede-todo-empresario-de-exportar/” width=”” target=”_self”] O Problema que Impede Você de Exportar[/inbound_button]

Comentários

Shop By